Economia do Meio Ambiente, Sustentabilidade, Eco-inovações e Regulação Ambiental

Código: PECO-5029
Curso: Mestrado em Economia
Créditos: 4
Carga horária: 60
Ementa: Correntes econômicas do meio ambiente e sustentabilidade. Instrumentos econômicos e gestão ambiental. Externalidades e eficiência. Princípios econômicos da conservação ambiental. Valoração de recursos naturais. Regulação Ambiental. Bioeconomia. Meio Ambiente e relações econômicas internacionais.
Bibliografia: BOMTEMPO J. V., (2012), O futuro dos biocombustíveis, cap 6 in Combustíveis no Brasil – Desafios e Perspectivas, Duailibe A. K. (org), Synergia Editora, Rio de Janeiro.
CRABBÉ, Ann; LEROY, Pieter. The handbook of environmental policy evaluation. London: Earthscan, 2008
D´AVIGNON, A. Energia, inovação tecnológica e mudanças Climáticas. IN Economia do Meio Ambiente: Teoria e Prática , Org. Peter May.2010 Editora Elsevier, SP.
D´AVIGNON, A. O caráter necessariamente, sistêmico da transição rumo à Economia Verde IN Política Ambiental: Economia Verde Desafios e Oportunidades, Editora Conservação Internacional, Belo Horizonte, p 29 a 40, junho de 2011
DI GREGORIO, M., et al. Integrating mitigation and adaptation in climate and land use policies in Brazil: A policy document analysis. Working Paper 116, CIFOR, Bogor, 2016.
FERRARO, P.J.; PATTANAYAK, S.K. Money for nothing? A call for empirical
evaluation of biodiversity investments. PLOS Biology, 4 (4), 2006
LA ROVERE, E.L. GESTEIRA, C., GROTTERE, C., WILLS, W. Pathways to deep decarbonization in Brazil, Rio de Janeiro, SDSN - IDDRI, 2015.
MACHADO, P. A. L. Direito ambiental brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2014.
MAY, et al., O contexto de REDD+ no Brasil: determinantes, atores e instituições. 2ª edição atualizada. CIFOR, Bogor, 2016 (em revisão).
MMA. Estratégia nacional de REDD+ (ENREDD+). Portaria no. 370, 02 de dezembro de 2015.
ONU. Data and indicators for the 2030 Sustainable Development Agenda: Report of the Inter-Agency and Expert Group on Sustainable Development Goal Indicators. COSOC,
dezembro 2015.
TIETENBERG, T. H., LEWIS, L. Environmental and Natural Resource Economics.
Pearson, 2011.
YOUNG, C. E. F. Potencial de crescimento da economia verde no Brasil. Política
Ambiental, v. 8, p. 88-97, 2011.
UNFCCC. COP21. Acordo de Paris. Dezembro de 2015.
WUNDER, S. The efficiency of payments for environmental services in tropical
conservation. Conservation Biology 2007 Feb;21(1): 48-58.
UNITED NATIONS ET AL. System of Environmental and Economic Accounting 2012 — Central
Framework. United Nations: New York. Disponível em
http://unstats.un.org/unsd/envaccounting/seeaRev/SEEA_CF_Final_en.pdf
VINHA, V. As empresas e o desenvolvimento sustentável: da eco-eficiência à responsabilidade
social corporativa. In: May, P. (org.) Economia do Meio Ambiente: Teoria e Prática. 2ª Edição, Rio de Janeiro: Elsevier/Campus, p. 181-204. 2010.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910