Uma análise do produto potencial para os estados brasileiros: ciclos e determinantes externos

Nome: Joelson Junio Azeredo Cruz
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 23/06/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Ricardo Ramalhete Moreira Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Edson Zambon Monte Examinador Interno
Luiz Claudio Louzada Examinador Externo
Ricardo Ramalhete Moreira Orientador

Resumo: O trabalho aqui desenvolvido tem como principal objetivo fazer uma análise empírica do impacto dos saldos comerciais e da taxa de câmbio real sobre a variação do Produto Potencial para estados brasileiros. Parte-se da hipótese de que tanto choques de demanda externa quanto choques na taxa de câmbio real causam variações no Produto Potencial das unidades pesquisadas. Uma vez que não existem trabalhos que se propuseram a fazer tais testes para estados, mas apenas para o Brasil como um todo, a principal contribuição deste estudo é no sentido de testar a endogenia do Produto Potencial pelo lado da demanda com base em um número mais expressivo de observações. Deste modo, estimou-se o Produto Potencial dos estados brasileiros através de um método específico, o filtro Hodrick-Prescott (HP), a fim de que em uma etapa seguinte fosse implementada uma análise de causalidade Granger para Painel de dados, pelo método de Dumitrescu e Hurlin (2012). Com base nos resultados, observaram-se efeitos direto e indireto da taxa de câmbio real sobre a variação do Produto Potencial. Este resultado corrobora em parte com a hipótese de autores brasileiros que põem a taxa real de câmbio em uma posição central para o desenvolvimento econômico do país (BRESSER-PEREIRA, 2006; OREIRO, 2012). Uma forma de interpretar os resultados obtidos neste estudo é separando os efeitos da taxa real de câmbio real sobre a variação do Produto Potencial em dois canais: a) um canal direto pelo lado da oferta, pois o aumento do câmbio real estimularia o crescimento da participação da indústria no PIB e, consequentemente, aumentaria a produtividade na economia como um todo; b) um canal indireto pelo lado da demanda, pois o aumento da taxa de câmbio real estimularia uma expansão dos saldos comerciais, que também impactam positivamente nas variações do Produto Potencial dos estados brasileiros. Por fim, este trabalho também obteve resultados mostrando uma causalidade da taxa real de câmbio para os saldos comerciais das unidades pesquisadas.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910